PUEBLOS EN LUCHA Y RESISTENCIA

PUEBLOS EN LUCHA Y RESISTENCIA CONTRA EL SIONAZISMO E IMPERIALISMO . He incluido imagenes de los más significativos ahora mismo por la Realidad que les toca vivir: Palestina, Dombass en Ucranía, Sahara, Ayotzinapa (México), Colombia (Alto el Fuego roto por el Presidente Santos...que sólo quiere la paz de los cementerios como otros que ya conocemos demasiado bien), Andalucía y en particular el SAT en su Lucha por los Derechos de los Trabajadores Andaluces y de todo el Pueblo Andaluz siendo el Sindicato más represaliado de toda Europa, Pueblo Vasco y en particular ASKAPENA por los recientes intentos de ilegalización por su Internacionalismo y Solidaridad con los Pueblos Oprimidos... Pero no me olvido de los Pueblos Emergentes (creo se dice así) como Venezuela, Cuba, Bolivia, Ecuador, ...en su Lucha contra la Ingerencia extranjera SioNazi-Imperialista así como el fascismo de Derechas que opera desde dentro y también el Régimen Español Fascista que por cierto tanto tendría que aprender de todos los Pueblos y sus gobernantes a los que pretende dar lecciones de DDHH y Justicia algo que no conocen ellos ni por asomo (Régimen Español Fascista). Y tampoco me olvido de otros Pueblos en Lucha y Resistencia como el Peruano, Chileno, Brasileño, Sirio, Libanés, Iraní...

viernes, 31 de octubre de 2014

TORTURA A LOS PRISIONEROS PALESTINOS EN LAS CARCELES ISRAELIES. BOICOT ABSOLUTO A ISRAEL.

TORTURA A LOS PRISIONEROS PALESTINOS EN LAS CARCELES  ISRAELIES.  BOICOT ABSOLUTO A ISRAEL. MUERTE AL SIONAZISMO  TERRORISTA Y CRIMINAL.  MUERTE AL NWO. 

Margaret Alves
 
Portuguese :
Tortura nas prisões israelenses: 200 métodos usados contra prisioneiros palestinos !!
Métodos variam entre espancamentos graves, colocando os presos sob a água fria, seguido de água quente, algemados ou restringi-los com os braços para trás e, em seguida, amarrados em uma porta ou janela por longos períodos de tempo, muitas vezes com duração metodos e horas variam entre espancamentos graves, colocando prisioneiros em água fria e depois com água quente, algemados ou restringi-los com os braços para trás e, em seguida, amarrando-os para uma porta ou janela por longos períodos de tempo, muitas vezes centenas de métodos de tortura usados contra prisioneiros palestinos duração durante os interrogatórios realizados em prisioneiros israelenses têm sido observados por organizações de direitos humanos e associações de direitos dos presos.
Um relatório da Organização das Nações Unidas enumera cerca de 200 métodos de tortura. O grupo de direitos humanos israelense B'Tselem listados em torno de 105 métodos de tortura. Independentemente do número, todos esses relatórios indicam um grave nível de violações perpetradas contra os palestinos após a sua detenção.
Fouad Khuffash, diretor do Centro de Estudos Ahrar dos Prisioneiros e Direitos Humanos, sugere que a tortura pode ser dividido em duas categorias; física e psicológica. Alguns acreditam que a tortura psicológica é menos prejudicial do que a tortura física, mas as cicatrizes mentais deixadas por ambos podem deixar os presos traumatizada por muito tempo após a sua libertação.
Khuffash acrescenta:. "A tortura em prisões israelenses é sistemática e começa a partir do momento em que um prisioneiro está preso, não a partir do momento em que começam interrogatório Este é um cenário premeditado e encenado que muda de acordo com o caso do detento e da natureza do seu arquivo . Os investigadores alternativo e desempenham vários papéis atribuídos com antecedência para cada investigador. "
Fahd Abu Al-Hajj, diretor do Centro de Abu Jihad para os Assuntos Prisioneiro da Universidade de Jerusalém, observou que existem 73 métodos de interrogatório considerado o "mais popular" em prisões israelenses. Esses métodos demonstram a barbárie da ocupação e sua falta de respeito das normas básicas de direitos humanos, afirmou.
Ele acrescentou: "Nada evidencia esta mais do que a morte repetida de prisioneiros sob interrogatório, o mais recente dos quais foi a morte do prisioneiro Raed Al-Jabari."
Al-Hajj acredita que o uso da tortura é sistemática, adotada pelos serviços de inteligência israelenses e que nenhum prisioneiro detido em qualquer prisão israelense é poupada.
Ele também explicou que estes métodos variam entre espancamentos graves, colocando prisioneiros em água fria e depois com água quente, algemados ou restringi-los com os braços para trás e, em seguida, amarrando-os para uma porta ou janela por longos períodos de tempo, muitas vezes durando horas. Os presos também são feitas para sentar-se em cadeiras e espancado com paus até perderem os sentidos. Estas espancamentos pode atingir áreas sensíveis de seus corpos, que têm o potencial de deixar efeitos negativos a longo prazo, às vezes levando a doenças crônicas.
Formas de tortura !
Organização de direitos humanos israelense B'Tselem reconheceu em seu relatório que 105 métodos de tortura são usados contra prisioneiros palestinos que são considerados graves violações dos direitos humanos. Uma comissão de direitos humanos da ONU descreveu a tortura em prisões israelenses como "cruzar a linha", observando que os métodos brutais de Israel de tortura incluíram quebrar as costas, puxando dedos e torcer testículos.
Inteligência israelense baseia sua tortura de detidos sobre os chamados diretrizes secretas que foram aprovados em 1987, após a eclosão da primeira Intifada. Estas orientações que lhes permitam aplicar pressão física e psicológica "moderado" em prisioneiros. Isso dá uma cobertura legal para a tortura praticada por agentes de inteligência israelenses.
Nos últimos 10 anos, interrogadores têm diminuído o uso de tortura, afastando-se a tortura física e em vez utilizado métodos psicológicos severos que podem deixar cicatrizes duradouras, continuando a usar a tortura física direta de graus variados.
Mohammed Kilani, que tem experimentado muitas interrogações, notou que seu confinamento solitário que ultrapassou os dois meses em que ele foi forçado a permanecer acorrentado a uma cadeira, era o método mais duro das torturas que sofreu.
Ele também acrescentou que ao longo de todo o sistema prisional em todo o mundo, não existe nenhum método de tortura que não tenha sido pensado ou utilizado pelas autoridades israelenses em algum ponto.
Segundo as estatísticas, cerca de 72 presos foram mortos como resultado de tortura em prisões israelenses desde 1967, de um total de mais de 200 prisioneiros que morreu atrás das grades.
O primeiro prisioneiro a morrer como resultado de ser torturado foi Yousef Al-Jabali, que morreu em 04 de janeiro de 1968 em uma prisão de Nablus. Muitos prisioneiros, desde então, seguiu-o, como Qassem Abu Akar, Ibrahim Al-Rai, Abdul Samad Harizat, Attia Za'anin, Mustafa Akkawi, e outros, incluindo o mais recente, Raed Al-Jabari.!!!


No hay comentarios:

Publicar un comentario

Son Bienvenidos todos los comentarios, realizados dentro del respeto a la Justicia y DDHH, y que no impliquen palabras ofensivas contra Personas y Colectivos ó Pueblos por razón de su raza, etnia, cultura, género, etc. Espero no se hayan encontrado con problemas a la hora de dejar su comentario porque no existe ni moderación de los mismos al menos hasta ahora, ni palabra clave, ...La única traba que se pueden encontrar y no es achacable al titular del Blog sino a los mismos Sres de Blogger que se toman de vez en cuando atribuciones que no les corresponden como decidir si dejan ó no publicar un comentario únicamente porque a ellos les agrade o desagrade lo cual es CENSURA pura y dura, pero como en Blogger igual que en otras redes o servidores de Internet siempre se cuelan los indeseables SioNazis e Imperialistas ...en fin, que si es así no dejen de cualquier forma de intentar dejar su comentario ó escribirme a mariajesusgrc1@gmail.com y yo intentaré arreglar las diferencias con los impresentables de Blogger, ya que sólo a mí como titular del Blog me corresponde el Derecho de Decidir si un comentario es adecuado o inadecuado. Gracias.